Ernane Galvêas: A situação de Temer, Shows da TV e violência e intervenção

A SITUAÇÃO DO PRESIDENTE TEMER

Em maio de 2017, o Presidente Temer assinou Decreto que teria beneficiado a empresa Rodrimar, no Porto de Santos, e a empresa Libra, às quais estão ligados dois amigos seus: o advogado José Yunes e o Coronel da reserva João Baptista de Lima, que foram presos pela Polícia Federal (Operação Skala), a pedido da PGR, mediante autorização do Ministro Luís Roberto Barroso, do STF. Também foram presos o presidente da empresa Rodrimar, Antonio Celso Grecco, e o ex- Ministro da Agricultura e ex-presidente da Codesp, Wagner Rossi, e mais 5 pessoas ligadas ao esquema.

Essas prisões abrem a possibilidade de Raquel Dodge (PGR) fazer uma terceira denúncia de Temer, a ser julgada pelo Congresso Nacional e submetida ao Supremo Tribunal Federal.

OS SHOWS DA TV

A “comoção” promovida pela TV e a imprensa, de um modo geral, tem sido um episódio impressionante. A demonstração que dá é a de que a única morte por emboscada ocorrida recentemente no Rio de Janeiro foi a da vereadora Marielle Franco. Quantos morreram de forma estúpida como ela, antes e depois? Quantos policiais foram assassinados, no cumprimento de suas missões?

A questão brasileira, esse estupor em que vivemos ocasionado pela barbárie que assistimos diariamente, sob influência da TV, tem como único responsável, a Justiça. Generalizadamente, não temos uma boa Justiça, o que é muito grave.

O mais grave de todos problemas brasileiros chama-se falta de Justiça, vindo depois o descrédito da classe política e, por último, a falta de discernimento da grande maioria da sociedade, que não revela capacidade de escolher bem as melhores soluções para o País.

A volúpia com que, na TV, as aparições públicas contagiam autoridades e o público em geral, é um negócio impressionante.

O caso do assassinato da vereadora Marielle Franco é um triste exemplo para a sociedade.

Gutman Uchôa de Mendonça – 31/3/18

VIOLÊNCIA E INTERVENÇÃO

A Polícia Civil impôs um severo revés à quadrilha de milicianos, que participava de uma festa na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Na chegada dos 40 agentes houve intenso tiroteio e quatro milicianos foram mortos. Foram presos 149 suspeitos e apreendidos 13 fuzis, 15 pistolas, 4 revólveres, granadas e 10 veículos roubados. A ação, no entanto, não conseguiu prender o chefe da milícia, foragido da Justiça, Wellington Braga (Didi).

O Secretário de Segurança, General Richard Nunes, prometeu continuar combatendo implacavelmente os milicianos. Outras ações ocorrerão.

REFORMA TRIBUTÁRIA

Sem dúvida, é possível afirmar que um dos maiores entraves ao crescimento da economia nacional é o Sistema Tributário Nacional, caracterizado pela elevadíssima carga tributária e a exorbitante burocracia fiscal.

O Sistema Tributário básico foi reestruturado pela Reforma de 1964, quando foram extintos os impostos do selo e do consumo. O Sistema passou a ser baseado nos modernos tributos sobre a renda, a propriedade, a produção e o consumo.

Estamos, hoje, discutindo as linhas viáveis de uma nova reforma tributária, em que despontam propostas que vão desde a criação de um IVA – Imposto sobre Valor Agregado, até uma ampla simplificação do sistema, que contemplaria a fusão ou extinção do PIS/COFINS, a exoneração da folha de pagamentos, extinguindo a tributação previdenciária sobre o faturamento das empresas, a transferência dos “penduricalhos” para o INCRA e Salário Educação que, inexplicavelmente, incidem sobre a folha de pagamentos.

A nova Reforma terá, necessariamente, de corrigir as distorções criadas com a preocupação de beneficiar as pequenas e médias empresas, tais como o SIMPLES, o SUPERSIMPLES e extinguir os abusos do MEI (microempreendedor individual), que beneficiou escandalosamente alguns profissionais individuais, como advogados, médicos, arquitetos, engenheiros etc.

O Presidente Temer tem de reservar parte do seu precioso tempo para examinar, compreender e aprovar a proposta de reforma do novo Sistema Tributário.





menu
menu