FEDERAÇÃO DAS CÂMARAS DE COMÉRCIO EXTERIOR

Apertando as mãos e ampliando o mercado

Jovelino Pires

Acabo de voltar de Brasília, onde fui a serviço, buscando superar a falta de informação sobre diversos (11) representantes da AEB em CAP’S, não localizadas as devidas portarias de nomeação, a cargo do Governo.

Muito bem recebido tive orientação do Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários – SNPTA / MPOR, senhor Fabrizio Pierdomenico, que se fez acompanhar pela Assessora da Secretaria de Portos e Transportes Aquaviários, Rebeca Fontoura e pela Mariane Cardoso, assessora técnica nos auxiliando na matéria.

Conferidos os nomes ainda “em ser”, nos foi explicitado que as publicações estão ocorrendo a cargo da Secretaria Executiva do Ministério de Portos e Aeroportos. Os procedimentos estão em andamento.

A integração do governo com as entidades privadas está acelerada e a troca de informação permite acertos e avanços, onde o grande ganhador é o Brasil. Vejam o crescimento e saldo da Balança Comercial Brasileira, superior a U$$ 61 bilhões, em 2022, e acima de US$ 60 bilhões, em 2021. Quanto podemos chegar em 2023?

Esperem por equivalente ou acima do resultado de 2022, isto graças ao esforço e mérito das autoridades privadas, lideradas por associações e trabalhadores, onde podemos destacar a FCCE – Federação das Câmaras de Comércio Exterior, a CISBRA / CAERJ – Câmara de Comércio, Indústria e Serviços do Brasil e a incansável AEB – Associação de Comércio Exterior do Brasil, todos atuando fortemente.

As entidades empresariais ligadas ao Comércio Exterior vêm com animação a postura do Governo Brasileiro em convidar e expor, às entidades privadas dos países da América do Sul, para participarem das vantagens das ZPESs, centros de concentração de exportação no Brasil. Isto fortalece a geopolítica na América do Sul e a união, garante o sucesso de todos.

Enfim, como dizem em nossas reuniões da FCCE, da AEB, da ACRJ, da CISBRA / CAERJ, em todas entidades privadas, de Comércio Exterior, unidos, vamos vencendo.

O grande ganhador é o Brasil.Vejam, reitero, o crescimento e saldo da Balança Comercial Brasileira, superior a 61 bilhões de dólares em 2022 e acima de 60 bilhões em 2021. Quanto podemos chegar em 2023? Espero por equivalente acima do resultado de 2022, graças ao esforço e mérito das autoridades governamentais e o desempenho das entidades privadas, lideradas por associações e trabalhadores, onde podemos destacar a FCCE, a CISBRA, a CAERJ, a incansável CLI da AEB, dentre outras. Enfim, Governo, entidades privadas e trabalhadores, estão levando o País para frente e seguindo no lema: “O BRASIL ESPERA QUE CADA UM DE NÓS CUMPRA COM SEU DEVER.”   

Outras Notícias

Rolar para cima